Susana ha descubierto la libertad que le dan sus primeras lentillas

A SUSANA DESCOBRIU A LIBERDADE DAS SUAS PRIMEIRAS LENTES DE CONTACTO


Susana – 21

Susana estuda Economia. Vive numa residência de estudantes com treze raparigas, adora sair e atua ocasionalmente em filmes e peças de teatro.

A motivação de Susana

A sua mãe propôs-lhe usar lentes de contacto porque jogava ténis e usar óculos num campo de ténis não é muito prático. Além disso, a sua visão estava a piorar e não queria usar óculos constantemente. Não gosta de ver as hastes atrás das orelhas.

Que nervos!

Foi com a mãe a uma ótica e esta obrigou-a a ficar lá até que ela conseguisse colocar as lentes de contacto, pois sabia que seria benéfico para a Susana. No início, necessitou de algum tempo até as conseguir colocar facilmente. Após algum tempo com elas colocadas, teve que as retirar, o que no início também não parecia tarefa fácil. Demorou algumas semanas para se habituar, mas teve a sorte de ser bastante paciente, e acabou por conseguir. E, com um pouco de prática, acabou por aprender o truque.

‘Para Susana, o maior benefício é não ter nada no rosto’

Fora com os preconceitos!

A princípio, teve medo só de pensar que elas se poderiam perder atrás dos olhos. Chegou a acreditar que isso era possível! Agora sabe que isso é impossível.

O que mais gosta nas lentes de contacto

Para Susana, a maior vantagem é não usar nada na cara. Isto dá-lhe uma grande sensação de liberdade. Prefere usar lentes de contacto diárias porque parecem mais higiénicas, mas neste momento usa lentes de contacto mensais, que necessitam ser limpas com muito cuidado antes de guardá-las no estojo. No entanto, quando sai de férias ou para um festival de música, usa sempre lentes de contacto diárias, porque as condições nem sempre são as mais higiénicas.

Susana ha descubierto la libertad que le dan sus primeras lentillas

Sem desconforto

Neste momento, os seus olhos não ficam vermelhos nem secos, mesmo quando sai até tarde. Já não joga ténis, mas continua a usar lentes de contacto.

Mais histórias